Bendita crise

Para: Maria Ferreira

Muito tem sido feito dos efeitos da crise financeira. Todas as informações que estão saturados pelo catastrófico que consumimos o nosso pão de cada dia. Se ainda não há pão. Ao falar sobre como a crise está afetando ONG focada na ajuda internacional, a tese é fundada, Na maioria dos casos, sobre temas mornos e covarde que transformam perda ponto preto que afunda em um gráfico.

Talvez seja a única maneira de sobreviver. E eu quero dizer especificamente a todos os que, em algum momento de nossas vidas, nós embarcar nesta mentira monumental que está "lutando por um mundo melhor" e hoje caminhamos juntos em escritórios com ar-condicionado, observando e assumindo que os números mostram empiricamente que um determinado projeto não é rentável, o que nos leva a concluir que devemos fazer cortes ou recursos humanos sem.

Os pacientes serão sem medicação. Nem vamos pagar as transferências de ambulância. Nem a comida. Mas esta não é uma tragédia

Cortes, no caso da ONG que eu levo, supor que os pacientes psiquiátricos, até agora, foram beneficiados pelo projeto será sem medicação. Nem vamos pagar as transferências de ambulância. Nem a comida. Mas esta não é uma tragédia hoje, chamado anedota pessoal. A crise permite, mesmo, peneiração que défice, para que possamos afogar as mágoas em uma cerveja gelada, após a reunião, sem sentir que o mundo é miserável. Que somos miseráveis. Bendita crise.

Parte do meu trabalho é viajar pelas estradas da Muranga (uma área localizada 60 quilômetros ao norte de Nairobi) ao lado de Mr. Ndung’u, enfermeira psiquiátrica, tomar a medicação para pacientes psiquiátricos que não podem viajar para o centro de saúde. Não é grande coisa. A nossa ONG não vai salvar o mundo. Mas, até agora, temos sido capazes de garantir medicação e atendimento médico gratuito a um 120 pacientes. E estamos falando de pacientes psiquiátricos, que carrega um grande estigma na região Quénia. Muitos são abandonados nas estradas, repudiado por suas famílias, e acusado de ser condenado.

Meu trabalho é viajar pelas estradas de Muranga com o Sr.. Ndung’u, enfermeira, tomar a medicação para pacientes psiquiátricos

Quando iniciei este projecto, Eu sabia que não seria fácil. A doença mental, pela conotação doença crônica implica, inútil. Mas eu estava cheio de esperança e pensei que poderia convencer o mundo da necessidade de dignificar as pessoas com quem trabalhei. Pessoas a que agora se referem como números, como perdas, fatores inúteis. A crise tem me dado o dom de desafeto. Bendita crise.

Ontem eu percebi que as ONGs terríveis subjacente ao ego dos que estão no comando. Perdas e falta de fundos traduzir-se em um medo que nos faz cautelosos. E sim, Deputados, cautela é geralmente na maioria dos casos, ser mais do que um eufemismo covardes. Nós refugiou-se em teorias, especialistas, em análise, e tentar salvar o nosso projeto, escondendo nosso medo do fracasso pessoal e tentando, principalmente, salvaguardar a nossa bunda.

A coisa terrível que é a base das ONG é o ego dos que estão no comando. Perdas e falta de fundos traduzir-se em um medo que nos faz cautelosos, ser um eufemismo sobre covardes

Eu sei que as ONGs não são amor. Então eu aprendi. Eu também sei que você tem algum romântico, e um monte de idiota, quer mudar alguma coisa como as coisas estão. Eu sei que há projetos que não vendem, como trabalhar com a doença mental. Para o meu projeto, traduzidos em números, significa que eu tenho "x" pacientes crônicos que assumirão as despesas "x" por mês para a vida, sem produzir nada na sociedade. Pérdida. O dinheiro é simplesmente ir para dignificar, a aliviPerdadida. Eu também sei que a sociedade é radicalizar, e as ONGs são consideradas, muitas vezes, como a forma ideal para levar a cabo um novo modelo de colonização, Também aprofundamento perversidade dependência, etc. Mas essas discussões, Embora necessário, mais problema, por vezes, apontam, e propor soluções de alguém que não é cotidiano loucos em que a realidade.

Esses anos, eu ouvi muitas vezes "não é rentável", ontem eu encontrei-me xingando meu ideal. Eu encontrei-me perguntando se não seria hora de parar de jogar o mundo é um lugar decente para trabalhar em qualquer rede hoteleira (porque com um grau e outro no processo que não posso tentar vôos mais altos no país).

Ontem encontrei-me xingando meu ideal, perguntando se seria hora de parar de jogar o mundo é um lugar decente para trabalhar em qualquer rede hoteleira

Mas, então, entre muitas ambigüidades que convergiram para os gráficos, Vi pacientes, Eu vi a minha equipa de enfermeiros, Eu vi as vinte crianças que temos agora no orfanato. E eu pensei que este abençoado crise, podemos remover a ilusão, nós podemos remover o desejo de acreditar em algo que não é economicamente produtiva, mas por favor, não tirar a nossa dignidade. Por favor, todos os que estão à frente de um projeto humanitário pequeno e louco, não abandonar. Que todas essas pessoas que fazem parte de nossos gráficos em negativo sei que eles não vão deixá-lo sozinho. Nunca deixe de olhar em frente para o que eles acreditavam. Que esta bendita crise nos deje, pelo menos, a oportunidade de ser mestres de nossas pequenas embarcações. Alguém ou alguma coisa nos faz ratos.

Se você quiser saber mais sobre a África projectos Karibuni: http://www.karibuniafrica.org/

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • Meneame
  • Share

Comentários (6)

  • Mayte

    |

    A verdade é que eu não sei o que dizer, Por que acrescentar a este artigo escrito com tanto coração e sensibilidade…
    Pelo menos, Quer dizer que você a minha mente e dizer que estaremos sempre algum maluco querendo mudar o mundo e para continuar a bordo, embora pareça que o barco está afundando.
    Um abraço

    Resposta

  • Juan Antonio Portillo

    |

    Diante de tanta hipocrisia e falsidade que nos rodeia, ainda acredito que @ s que ajudam, Admiro a sua coragem, sua sinceridade e suas palavras surgiram a partir do seu coração, Maria.

    Abraços e beijos

    Resposta

  • Laura

    |

    Parabéns pelo seu trabalho Maria!!! Eu não posso jogar a toalha, embora haja dias em que tudo o que faria muito bem.
    Mas,O que seria do mundo sem pessoas como você ?
    O mundo precisa de mais pessoas lutando por aquilo em que acreditava e continua a encaminhar, como você, apesar dos problemas que aparecem na estrada.
    Muito incentivo e boa sorte.

    Resposta

  • publikaccion

    |

    cair para voltar a levantar-se… Esta é a vida…

    Resposta

Escrever um comentário

Últimos Tweets

RT @ Viajespasado: La India cuando se visita por primera vez se descubre con las fosas nasales. Se están creando ciudades insostenibles que…

Ricardo Coarasa Ricardo Coarasa