Meia-noite no Muro das Lamentações

Para: Ricardo Coarasa (texto e fotos)

Já está escuro quando entramos na Cidade Santa. Nós quase duas horas de estrada a partir da Galiléia Norte. Milhares de luzes brilhando no escuro. Jerusalém é maior do que eu imaginava. O hotel Moriah Gardens, um arranha-céu em anos, grita uma legião de faz-tudo. A torneira é antigo e os móveis parece recheado na década de setenta. Há dias pela frente para explorar a cidade velha, mas depois de um jantar que estamos em um caminho de táxi Portão de Jaffa, pelo Torre de David. Poucos lugares no mundo pesa tanto quanto a história aqui. Eu sou uma pessoa de fora olhando para uma velha gravura Bíblia. E que as paredes restauradas ter um museu certo ar, mil vezes restaurados cidadela, uma pedra lavada cuidadosamente.

Down to desta vez através do labirinto de vielas do bairro árabe para o Muro das Lamentações, com souk barracas e fechou, está andando através da medula de uma pacata cidade onde, no entanto, batendo seu antigo passado. É uma noite de gatos nora e rabinos de Brisk. Fácil perder, tão logo aceitou a ajuda de um adolescente para chegar o mais rápido possível, Dica Por, o nosso destino.

Down to desta vez através do labirinto de vielas do bairro árabe, com souk barracas e fechou, está andando através da medula de uma cidade adormecida

Ao virar da curva, depois de descer um lance de escadas, lá surge os tempos de parede reverenciados Herodes, chorar o povo escolhido (onde eles lamentam a perda de Jerusalém), Pedra saudade templo desaparecido Salomão. Eu me sinto muito sobrecarregado. A esplanada é quase vazio, mas um grupo de rabinos está orando a seus pés, como se quisesse deixá-lo sozinho. Antes de chegar lá, você passar por uma verificação de segurança, onde os soldados israelenses que procurar exaustivamente. Uma pitada de realidade que nos lembra que estamos prestes a entrar no coração da cidade disputada da história.

A pedra, iluminado pelas luzes, acentua ainda mais o arredondamento do momento. Jerusalém está em silêncio. Percebe-se que a aura intangível que envolve os lugares sagrados, que a proximidade do Al Aqsa Mosque só aumentando. O muro ea mesquita. Quem está observando que?

Ao virar da curva, depois de descer um lance de escadas, vem abaixo da parede reverenciado nos dias de Herodes

Os rabinos bisbisean os Salmos com devoção, aproximando sus cabeças-em um rítmico balanço- segurar com as duas mãos, enquanto o livro de orações, lamentando a perda ainda tão doloroso. Este é um daqueles lugares que você nunca se cansam de admirar. A atmosfera da noite, também, se sente bem.

A diferença entre os grandes blocos de tempo de Herodes, na base, e pedras menores, quase tijolos, Restauração muçulmana no século VIII é evidente. Coexistência entre judeus e muçulmanos sempre parece um rio a transbordar, mas lembre-se que quem levou este muro ocidental do templo se tornaria um lugar de culto para os judeus foi, precisamente, Suleiman, o Magnífico, que, no século XVI, em plena dominação muçulmana da cidade- emitiu um decreto permitindo que a comunidade judaica para colocar seus pés um lugar de oração. Diz a lenda que o próprio Suleiman limpos com água de rosas para limpar a parede. Até esse momento, lugar preferido de peregrinos judeus que vieram para Jerusalém era o Monte das Oliveiras, mas não o atual Muro das Lamentações (onde o mercado se), como observado Karen Armstrong em sua "História de Jerusalém" único.

Suleiman, o Magnífico, que era, Domínio muçulmano no centro da cidade, solicitado a parede tornou-se um lugar de oração para os judeus

É meia-noite e não mais turistas explícitas presença estrangeira. Nós somos o outro e se comportar como tal. Uma vez que as, a poucos metros do muro, lavagem das mãos jogadas em uma fonte circular vários tubos, agora com torneiras, auxiliado por um jarras de plástico. Primeira mão; então, os outros. No seco. Cumprir com a liturgia do lugar também exige para cobrir suas cabeças com um solidéu de papelão, para piorar branco, capitalizados sublinhando nosso status como intrusos em um palco cheio de preto como fuligem yarmulkes. Para piorar as coisas, peso leve não segurar a coroa, então você tem que mantê-lo continuamente. Isso não impede que a prevenção, no entanto, que, ocasionalmente, rolar pelo chão para a indiferença dos rabinos orando, que, tanto quanto gostaríamos de olhar de soslaio nos ao sol demitindo por um estrangeiro com shorts e um copo de sangria.

Alguns rabinos nos olham de soslaio, como poderíamos fazer no sol demitindo por um estrangeiro com shorts e um copo de sangria

Só de ouvir o murmúrio dos fiéis. A presença da pedra é esmagadora. Ela é a verdadeira estrela. Não é apenas rock esculpida. Es, especialmente, refúgio; aderência espiritual; força contra a adversidade; totem hebreo; brasas do antigo reino do velho rei sábio; uma bandeira é reduzida nunca uma terra permanente afirma que qualquer gesto é um símbolo e um metro quadrado, provocação. Es, também, testemunho viÉ de uma obra faraônica, a reconstrução do Templo de Jerusalém, que durou quase 80 anos e que são utilizados 18.000 trabalhadores e só tem compromisso de Herodes para completar (mas não viveu o suficiente para ver o trabalho concluído). Só a parede ocidental, contra cujos restos agora estamos, era quase 500 metros de comprimento.

A noite fechou o melhor nestas pedras que irradiam a espiritualidade e são uma página na história da humanidade

A luz do dia, o tumulto de turistas pode subtrair emoção ao jogo. Eu não sei; Tive o cuidado de não se verificar para não estragar a intimidade desse encontro noturno, quando a noite fechou o melhor nessas pedras que irradiam a espiritualidade e é uma página viva da história. Esquerda, interior, o comentário rabinos, cercado por jovens, Torah (o Pentateuco). Apenas se ve a alguien vestido de paisano. As prateleiras estão cheias de livros. Há registros de jovens estudantes a lição de seu mestre com uma câmera de vídeo e download de imagens na rede em tempo real, difundir os seus ensinamentos a judeus fiéis em todo o mundo. Isto quase parece tecnologia de exibição inadequada com a verdade nua e crua da pedra.

Deixando, um rabino de barba cana-me aborda chapurreando umas palavras em balbuceante espanhol. "Meu avô é espanhol, o Barcelona", sorrisos orgulhosos. E se houver alguma dúvida, topos: "Eu realmente gosto do flamenco". Eu mal num mundo, verdade, imaginar rasgando Bulerias.

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • Meneame
  • Share

Comentários (8)

  • Ann

    |

    Eu amo o final de suas histórias…

    Resposta

  • Ricardo Coarasa

    |

    Eu sempre fui muito claro que temos de ter cuidado, especialmente, o primeiro e último parágrafos de uma história. O primeiro, porque são poucos os que vão ler a partir daí. E a última, como uma recompensa para aqueles que tenham chegado ao fim. Obrigado por não desistir de Ana!

    Resposta

  • Juan Antonio Portillo

    |

    Ganhou movimento para a suntuosidade dessas paredes e me fazer sentir a espiritualidade que descrevem suas letras….. Eu não estava errado, fez guiris ratificar seu status, você se sente depois de ter iniciado por Sevillanas, acompanhado, claro está, por pat de Rabi catalino!!!!!! Um abraço e obrigado Ricardo. Jerusalém é um dos lugares que eu gosto de visitar…

    Resposta

  • Daniel Landa

    |

    Admirável, Ricardo!! Soa como uma grande história. Jerusalém é um dos pontos que eu tenha em vermelho no mapa de ilusões e este post não é só alimenta o desejo de enfrentar o Muro das Lamentações, Agora eu sei, lo visitar a meia-noite. Grande texto e, como disse Ana, um final surpreendente.

    Resposta

  • Lydia

    |

    Realmente inspirador no início e no grande final, uma surpresa. Eu não sabia quem tinha feito o passeio noturno. Eu entendo que você totalmente para trás a partir de abstuvieras dias.

    Resposta

  • diego

    |

    Ricardo,
    é uma daquelas viagens que você às vezes difícil de dizer se é mito ou realidade, ¿Não?
    Eu estava lá há dois anos e lembrar o que representa. Jerusalém tem esses dois viertientes exageradas distintas, o religioso eo moderno, o resto histórico e da cidade. Independentemente da posição de cada, é um ótimo lugar para ver e aprender e olhar.
    Um abraço e obrigado pela história. Queremos mais da área!

    Resposta

  • ricardo Coarasa

    |

    Usando cinco. Lydia, Eu também planejei para ver o muro à noite, mas na chegada ficou claro, e que seria uma semana de Jerusalém. Diego, Eu escrevi outro artigo no PAV. Sobre a área, sem ir mais longe: http://www.viajesalpasado.com/lohamei-hagetaot-la-voz-de-los-supervivientes-del-gueto-de-varsovia/ . Juan Antonio, que rasgar sevilhanas não vê, Eu não ousaria não para anotar, Eu acho mais perto. E você não é mais para terminar a seção de vídeo haha ​​Dani nerds youtube, se você me dizer se preparar para ver o Muro das Lamentações e à noite você vai saber por que eu não estou completamente certo de que ele vai. Abzs

    Resposta

  • Daniel Landa

    |

    Y cuatro años después, efetivamente, allí estuvimos, à noite, como habías pronosticado. Y fue algo tan especial como habías descrito.

    Resposta

Escrever um comentário

Últimos Tweets