Não medicar o Homem Leopard

Para: Maria Ferreira (texto e fotos)

Dois anos após o que o primeiro paciente, Eu estava na mesma consulta. Crepúsculo.

-Ela quer chuva (parece que vai chover)- dito Ndung’u.

-Eu estou indo embora (me voy)- desafiado.

Não queria llegar a casa empapada. Temos preguiçoso e só quando ouviu gritos desligar a luz. Entre quatro pessoas trouxeram um sangramento homem. Ele tinha cortado o corpo para passar por uma janela.
Avise um Ndung'u, que estava, olhando para paciente, sorrindo ligeiramente. Duas enfermeiras veio, temeroso, com a submissão que nunca tinha visto. Começar a preparar um calmante. Teve para medicar o paciente e que este ameaçou prejudicar os outros pacientes, eles estavam esperando e- Ndung'u como e enfermeiros- observava a cena em silêncio incomum naquela aldeia do Quênia.

Uma das enfermeiras sussurrou “Se você lê medição perderá su poder”

Peguei a seringa, Engoli em seco e se aproximou da paciente como uma menina brava. Este virou-se para o ar, mas não apoiado. Eu calculei a distância mínima para estar mais perto de injetar o analgésico sem ser ferido. Então Ndung'u veio entre nós, com sorriso.

-Não faça- sussurrou levando minha injeção.

-Mas em crise!-protestou.

-Passará- Responda Ndung'u.

-Não podemos curar as feridas se não acalmou antes- Eu não entendo nada.

Enfermeiros olhando-nos. O paciente ainda estava tentando escapar dos homens que o prendiam. Um deles começou a sussurrar:

-Se você lê medição perderá su poder.

A enfermeira se aproximou Ndung'u, tímido, e esvaziar a seringa fora da terra, com gota de sangue.

-Perdão?- perguntou atônito.

-Ele tem o poder de se tornarem leopardo, enfermeira bobo menina começou a explicar- Si le medicas perderá su poder. Quer-me a curar as feridas, apenas que.

“Ele tem o poder de se tornarem leopardo, menina boba”, Começa a explicar

Esperei o riso geral. Descrença. Mas houve um silêncio terrível apenas preenchendo tudo. Ndung'u assentiu e colocou o homem no Número Quatro consulta. Eu tranquei lá. Eles ouviram como ele bater contra os móveis, como esmagado frascos de medicamentos.

-Perder força- enfermeira explicou- então vamos entrar e curar.

Passei duas horas tentando convencer Ndung'u, com diferentes métodos de namoro ideológicas, sobre a necessidade de aplicar o método científico. Ndung’u sonreía, simplesmente, enquanto eu estava girando e ficando desesperado com cada barulho que sai da consulta Número Quatro.

Eu me senti extremamente mal sucedida. Veio a noite. A mulher do paciente-leopardo e eu olhei ocasionalmente

A esposa do homem chegou mais tarde, Ndung'u quando estava prestes a sair. Ele veio carregado com frutas e um cobertor, fingindo para ficar no corredor durante toda a noite. Como me, dam cansado que eu me sentei contra a porta e esperou apenas para parar ruídos para entrar. Faça o login e, em seguida, o que. Eu não tinha idéia. Me senti extremamente fracassada.
A noite chegou. As moscas foram substituídos por mosquitos. A mulher do paciente-leopardo e eu olhei ocasionalmente.

-Querer?- mulher me deu uma banana. aceitei e tomei a abordagem.

-Ele pode acalmar o seu marido- Eu- pode fazer você se sentir bem e, em seguida, todos nós poderíamos ir para casa.

A mulher sorriu. “Por que deveria se acalmar?”, Eu perguntei. Mastiguei em silêncio.

-Não se enfada, o doente- mulheres continuaram conversando. Rimos, com que a agressividade orgulho de alguém que não aceita a derrota.

-Pense que você está aqui para nos salvar de algo que você só vê-lo- continuou a mulher- mas realmente você está condenando. Doente.

Levantei-me e deitou-se em um banco. Me sentia triste. De repente, eu odiava tudo. De repente eu queria agitar suas mentes, para agitar meu entender. Perdido em meus pensamentos e embalado pela flapping das asas dos mosquitos, eu fui ficando dormido.

De repente eu queria agitar suas mentes, para agitar meu entender

Um galo me acordou às cinco horas. Saco de frutas e manta das mulheres ainda estavam lá, mas não havia nenhum sinal dela. Eu achava que eu teria ido para a latrina. Corri e exibindo um pouco detetive paródia bacana foi a cozinha do centro de saúde. O cozinheiro já estava preparando café da manhã. Eu encontrei alguns pedaços de frango frio, por que algumas formigas andando. Limpei-o e levou-o. O cozinheiro foi divertido que o branco menina cogiera comida, então eu fiz uma nota mental deve discutir este assunto com seus pais, quando ele foi visitá-los. Fofoca pessoas brancas sempre triunfou.

Eu estava de volta na frente da porta da consulta. Olhei para o lado e viu que sua esposa não era Leopard. Abri a porta com medo, cuidadosamente. Eu tive que esperar para os meus olhos se acostumassem à escuridão, e assim, entre o desastre de garrafas quebradas e derrubou móveis, destacando-se o paciente, enrolada em um canto. Como um felino. Este levantou a cabeça e olhou para mim. Eu fui e deixe o frango no chão. Ele pegou o frango e para fora da porta, tranquilo, feridos, digno. Nada mais aconteceu.
Ndung'u veio quando eu estava pegando a consulta.

Trabalhando no Quênia envolve ego engolir todos os dias e assumir que você realmente não sabe nada de nada

-Sabe?- Eu disse: – pode ter sido limpando a minha verdade. Mas é que a verdade é tudo o que tenho.

Quando o que eu realmente queria dizer era: quão bonito, como eu acreditava que era essencial. !Eu me senti tão enganado quando eu era criança e viu o ônibus abrigos publicidade atormentado ONGs, Eu imaginava algo diferente. Algo mais fácil. Mais heróico. Mas trabalhar Quénia deveria engolir o ego todos os dias e assuma que você realmente não sabe nada de nada.
Na semana seguinte, eu passei um tempo no hospital de Nairobi. Os médicos disseram que tinham cólera e malária.

Foi então, sem que a verdade arrastando uma criança, quando eu começar a trabalhar bem

Mas eu sabia que a única grave aconteceu é que eu tinha perdido a minha verdade. E isso, sem que a verdade arrastando uma criança, quando eu começar a trabalhar bem. E você aprende a não julgar todos e cada um dos dias eu passo no Quênia.

Se você quiser saber mais sobre a África projectos Karibuni:http://www.karibuniafrica.org/

Pesquisa realizadas:

  • Facebook
  • LinkedIn
  • Twitter
  • Meneame
  • Share

Comentários (5)

Escrever um comentário

Últimos Tweets

RT @ Viajespasado: La India cuando se visita por primera vez se descubre con las fosas nasales. Se están creando ciudades insostenibles que…

Ricardo Coarasa Ricardo Coarasa