Saudade Estrada para Lisboa: a trilha de Don Sebastian

Para: Ricardo Coarasa (texto e fotos)
imagem Anterior
próxima imagem

informações título

conteúdo informações

O menino-rei, olha para nós, espada, Desde a fachada monumental da estação de trem Rossio, em Pleno centro lisboeta. Soberanos Poucos tão fortemente atraídos aos anseios de um povo. Don Sebastian, neto Carlos V e sobrinho Felipe II, Era a última esperança de um império, acossado por falta de descendência real, Ele não queria cair nas mãos da vizinha Espanha. Muita responsabilidade para um adolescente que estava devorando romances de cavalaria e sonhava com façanhas militares. Uma criança intrépido interior que ressoou a chamada África. "Quando eu crescer, eu vou conquistar África", Ele advertiu seu mais velho. Se, profecia salto quebrado e, seu, a alma de uma nação.

Em 24 anos, envolvido em uma guerra absurda nos domínios da atual Marrocos, Don Sebastian morreu em agosto 1578 na batalha Alcazarquivir, deixando mergulhado em tristeza todo um povo, Melancolia condenando um grande império, impregnando de saudade a Portugal inteira. Como um mecanismo de defesa contra tais triste notícias, as pessoas logo incentivou a lenda de seu retorno para arrebatar os domínios portugueses Espanha. Ele nasceu sebastianismo, um antídoto para tanto sofrimento. Don Sebastian ficou conhecido como Rei encubierto, Desejo ou de dormir, um Messias que redimiria Portugal do embaraço de um rei estrangeiro, Felipe II.

"Quando eu crescer, eu vou conquistar África", Ele advertiu seu mais velho. Se, profecia salto quebrado e, seu, a alma de uma nação

Mais de quatro séculos depois, o rei-infantil e sebastianista que esperou em vão por sua vinda triunfante é evidente nas ruas de Lisboa. Este é um caminho para o epicentro da proverbial saudade Português, a quarta máquinas sentimentais um país com querencia melancolia. Para acompanhar esta pegada deve ser abordada primeira Estação do Rossio, entre a praça do mesmo nome e Restauradores, onde uma estátua de um adolescente Don Sebastián preside a fachada da estação, desafiando, quando ele ainda não tinha quebrado o sonho Africano. Em ambos os lados do trabalho do escultor Simões de Almeida, dois arcos de ferradura que parecem os próprios pilares de Hércules que o soberano correram ruidosamente sobre os sonhos dos Português com sua morte precoce.

Na mesma estação, até a escada rolante em direção às plataformas, estamos de volta com Don Sebastián entre trajín passageiros, pressa e relógios de espera eternizan. Temos, sim, para ir tornos (tem que comprar um bilhete) e indo para a plataforma à esquerda, pontuado por um conjunto de 14 murais coloridos azulejos. Um simboliza a lenda do Rei desejado. De um lado,, o jovem monarca, torso nu e um capacete cobrindo o rosto, asaetado em batalha. Ao lado do, Armadura em um pedestal espera de seu dono, “D. Sebastião o Encoberto”.

No mesmo Rossio, até a escada rolante em direção às plataformas, estamos de volta com Don Sebastian

Continuamos em direção ao ocupado barrio de Baixa e, uma das suas principais vias, Rua Augusta, chegou ao Praça de Comércio, Lisboa, onde o estuário abre a Tajo. Este lugar é carregado de simbolismo. Ele é acessado sob o Arco do Triunfo um dia esperava para receber o fabricante do Quinto Império, rei encubierto, encarregado de colocar de volta a Lisboa no epicentro do mundo. No final da praça, o viajante irá reparar em uma doca com duas colunas solitárias banhada pelas águas do Tajo. A Cais das Colunas monopoliza um tremendo magnetismo e sebastianista venerar o lugar seria amarrar uma frota Don Sebastian dia nevoento da ilha de Utopia para recuperar seu trono. É difícil de acreditar na lenda, se você se sentar e ficar encantado com o Tejo por alguns minutos tentando separar o ambiente turístico.

Estamos agora na Bairro Alto, onde podemos voltar para nossos pés e elevar-nos elevador de Santa Justa (ou o Gloria da Praça dos Restauradores, com o Rossio), The Last Stand de dois sebastianista distinto. No Igreja de São Roque (Largo Trindade Coelho) se encontram, no lado esquerdo da nave, os túmulos de Simão Gomes y Francisco Tregian, que no final do século XVI encorajou as profecias sobre o retorno do Rei encubierto. Aqui ele fez seu famoso Sermão do 40 horas pai Antonio Vieira, um dos maiores expoentes do sebastianismo e terminou exilado e preso por heresia, o anátema com a qual, no momento resolvido qualquer freethinking, como inofensiva era.

Cais das Colunas no esperava que a sebastianista ver frota tie um dia de Don Sebastian para recuperar seu trono. É difícil de acreditar na lenda, se você se sentar e ficar encantado com o Tejo

O templo está localizado atrás do labirinto de ruas de bares e restaurantes uptown, por isso não é de estranhar que as portas da igreja, além pobres, Os jovens distribuindo cartas para aposta que prometem a melhor cidade fado local para turistas sortudos.

Para colocar o toque final para esta rota saudade viajou de eléctrico para Belém, onde a visita a Mosteiro dos Jerónimos Você não pode escapar. Sob a abóbada do transepto à direita do altar dois túmulos chamar a atenção, apesar da escuridão que parece contornar sua memória. Um deles é Don Sebastián. O outro, o Cardeal Henrique. A criança-rei é mantido no santuário por dois elefantes, imperecível memória de sua paixão Africano, para o qual Portugal pagou um preço alto. No outro extremo da igreja, na entrada, Intrepid descansa um marinheiro Português que se realizar seus sonhos: Faixa Basco.

O túmulo do rei-menino é guardada por dois elefantes, imperecível memória de sua paixão Africano, para o qual Portugal pagou um preço alto

Em frente ao mosteiro, refletindo o passado glorioso Portugal, teares do Monumento aos Descobrimentos, reconhecimento Português de seus navegadores, os Argonautas valorosos conhecido que mudou o mundo. De seu pico, a que pode ser (e deve) levante, rosa dos ventos, no sopé dos simboliza monumento, com sentidos apontando para o horizonte, os anseios de um país que se dedicam, em tempos difíceis, na construção de um futuro de esperança de um passado glorioso. Sem esperar por um Messias que nunca vem.

  • Compartilhar

Escrever um comentário

Últimos Tweets

Não os tweets encontrado.