Belém: o esplendor do império negrito

Para: Edward Winter (Ricardo fotos Coarasa)
imagem Anterior
próxima imagem

informações título

conteúdo informações

Viagens

Lisboa, a cidade das sete colinas dirige seu olhar para a água. Aqueles para os quais honra e glória chegou em séculos distantes. Durante a XVI e XVII Portugal ostentava a maior parte do domínio dos mares e oceanos que fizeram as principais rotas de comércio. Vias marítimas a Índia, um China, estações comerciais África ou para os vastos territórios que agora fazem Brasil. Os navegantes portugueses se mostraram ávidos descobridores, hábeis cartógrafos e intrépidos marinhos. Esses dias de navios e especiarias, de draconianas travesías e inhumana esclavitud, Foram ancorada ao passado, mas Lisboa, como a capital do império que foi, mantém o seu legado.

Na cidade vizinha de Belém nos esperam edifícios fascinantes e interessantes museus em uma jornada que é merecido para passar um dia. Belém está se uma caminhada pelas ruas, sempre com os turistas e viajantes nas pegadas do passado, revelando em sua pastelaria famosa e compreender o significado dos locais visitados. Enormes espaços abertos caracterizar a localidade, que agora é um bairro de Lisboa. Em agosto, o calor estava se tornando opressiva, apenas uma ligeira brisa do Tejo deu trégua. Belém é um cartão postal do "Age of Discovery", período em que Manuel I reino sobre Portugal, sendo tais realizações que ficou conhecido como "O Venturoso".

É no topo da Torre de Belém, na esplanada, quando se pode admirar o passado

A Torre de Belém foi um dos edifícios construídos por ordem, uma obsessão constante por investir parte da riqueza das colônias em edifícios monumentais que transcenderam os tempos. Altura acima das águas do Tejo, esta torre estilo manuelino cunhado como no passado serviu como um avançado de defesa de Lisboa, complementado por uma fortaleza que estava na margem oposta. O fogo cruzado de ambos os locais impossíveis de se atingir os navios inimigos na mesma cidade. A visita para admirar os quartos em uma força surpreendente para os seus acabamentos delicados. O Conselho de Governadores, o tribunal ou a Capela nos aguardam no interior. Mas no topo da Torre de Belém, na esplanada, quando se pode admirar o passado, janela cilíndrico em seus estandes, em que os guardas publicado oteaban de riscos ou o retorno de navios de bandeira portuguesa carregadas de especiarias e produtos que enriqueceram a metropolitana e forjou um império. Aproveite a vista de cima, é um dos momentos cruciais da visita.

No momento da sua construção (1514-1520) foi avançado sobre os bancos, permanecendo como uma ilha resplandecente de basalto na água. E não foi por acaso que a localização, porque é contra o Restelo praia, onde usou as expedições de. A passagem do tempo mudou o curso do rio, aproximando-a da borda; e os usos para os quais foram prestadas foram vários, vai aumentar os impostos que os navios tinham de pagar na chegada, ou, finalmente, até mesmo na prisão, cumprindo.

Eu sempre prefiro a aproximar-se progressivamente os lugares de realçar, perceber a partir de uma distância, sentir as suas formas e ir capturando seus detalhes

Às vezes acontece que grandes momentos da história e histórias fascinantes esconder monumentos curiosos. Este é o caso que podemos ver rinoceronte esculpido em pedra na Torre de Belém. Seu nome era Ganda, e seus avatares começam em 1515, quando um sultão deu ao animal o governador Português da Índia. Este, ansioso para agradar a Coroa, remeteu-a para Lisboa como um presente para o rei D. Manuel I. Ganda o rinoceronte foi uma sensação, muitos acreditavam que era um animal lendário, mítico, até que pudessem contemplar. O rei até mesmo como embarcar de novo para Roma como um presente para Padre Leon X, mas os animais infelizes afogado durante uma tempestade. Sua fama, no entanto, era tal que uma das gárgulas da Torre de Belém mostrando sua escultura.

Caminhamos ao longo da Avenida da Índia em direção ao Mosteiro dos Jerónimos. A sua impressionante fachada 300 metros de comprimento é visível e podemos admirar sua majestade dos jardins que servem como um prelúdio para o monumento, no Praça do Imperio. Eu sempre prefiro gradualmente se aproximar de locais tem de se admirar, perceber a partir de uma distância, sentir as suas formas e ir capturando seus detalhes como os nossos passos nos levam a conhecer.

Manuel I decidiu levantar o majestoso e solene Mosteiro dos Jerónimos, em comemoração da vida do Glorioso Faixa Basco

A grandeza do Mosteiro dos Jerónimos é consistente com o fato que comemora. A história diz que este local era uma pequena capela, que os marinheiros costumavam orar antes de ir para o mar. Faixa Basco e sua tripulação passou sua última noite em solo Português vigília e rezando por proteção divina durante a viagem que os levaria a descobrir a rota marítima que ligasse a Europa com a Índia, ao longo da costa Africano. Eles navegaram em 8 Julho 1847, chegar às praias do estado indiano de Kerala o 20 Maio 1848. Basco da Gama abriu não só uma das rotas comerciais mais importantes; tinha desenhado as paradas que faria Portugal uma potência mundial, expandindo para cantos remotos influências econômicas e culturais. Ainda hoje é fácil de viagem ao longo de um Fernando Índia o Sri Lanka. D. Manuel I não era um estranho tal façanha, então ele decidiu levantar o majestoso e solene Mosteiro dos Jerónimos, em comemoração do retorno glorioso do oceano perpétua.

Uma vez que um atravessa a soleira da porta do mosteiro, esculpidas com cenas do nascimento de Cristo, começar a sentir a grandeza do lugar. Lidamos com esculturas da família real e chegar ao Igreja de Santa Maria de Belém. Aqui jazem os restos de Faixa Basco, eo poeta Luís de Camões. Tour do edifício é um prazer contínuo, com os acabamentos tão característicos do estilo manuelino novamente este, a grandeza de seus espaços, a solenidade que respiramos ou a serenidade do claustro fascinante. Os corredores do claustro são ideais para desfrutar o frescor que dar, revisão tão grande como nós caminhamos histórias de vida e ouvido por estas paredes, ea passagem inevitável do tempo deixado como acontecimentos distantes, aumentando o sentido do passageiro invisível no fluxo da história.

O tempo usado para esconder sob as areias do esquecimento os nomes daqueles que construíram lendas. En Belém, no entanto, história ainda está viva

Deixando o Mosteiro dos Jerónimos que nos aproximamos a última parada, aquele em que normalmente visitada repescagem e colocá-lo em histórias lidas. Voltamos para as margens do Tejo, frente ao mosteiro, onde a partir de 1960 olha para a água Padrão dos Descobrimentos. Levantada por ocasião da 500 aniversário da morte do Infante D. Henrique, procura honrar os reis e os marinheiros que deram à luz em Portugal Age of Discovery. Moldado como um casco de navio, pega o escudo da nação e uma série de esculturas pertencentes a celebridades da época. Você pode subir até o topo, ea partir do seu 50 metros, admirar a costa de Belém, como a brisa acariciando nossos rostos e admiramos uma imagem que se parecia com os marinheiros de volta para casa. Eles tiveram que fazê-lo cheio de orgulho, satisfeito com as realizações, carregando uma faixa que os mares e oceanos acesas. O tempo utilizado para varrer as riquezas e se escondem sob as areias do esquecimento os nomes daqueles que construíram lendas. En Belém, no entanto, história ainda está viva, em pedra e basalto, ou pelo menos é o que eu sinto enquanto o chocalhar bonde de volta para Lisboa.

o caminho

De Lisboa podemos facilmente chegar a Belém, em eléctrico (número 15), em (destino Cascais) o ônibus (linhas 27, 28, 29, 43, 49, 51 0 112.

altamente recomendado

Além de visitar os principais monumentos e edifícios sugerimos a pé pelas ruas, visitar as suas lojas e apreciar a sua comida, como o famoso Pasteles de Belém.

Mas informações:<um título =”Belém” href =”http://blog.infoviajero.es / lisboa / bloco /” target =”_blank”>Belém</um> de Infoviajero.

Altamente recomendado este outro blog: <um título =”Informações turísticas sobre Portugal” href =”http://turismoenportugal.blogspot.com /” target =”_blank”>Portugal</um>

  • Compartilhar

Comentários (2)

  • Mais

    |

    Ganda destino estava selado desde a captura. Havia pisado o continente teria sido decorado e exposto aos leões, javalis ou touros como mero divertimento do palácio de tribunais, para acabar por desaparecer gradualmente. Albrecht Dürer, fascinado pelo exotismo do rinoceronte e graças as contas de outros desenhou muito bem. Graças, Ricardo (em nome da Ganda)

    Resposta

  • Mais

    |

    Graças, Eduardo, que você é quem escreveu o relatório

    Resposta

Escrever um comentário

Últimos Tweets

Não os tweets encontrado.