Buenos Aires: um olhar para trás

Buenos Aires sempre olhar para trás, ao qual foi, o que poderia ser. Seus habitantes são capazes de mover anseio pelo passado. A cidade está viva e ainda assim ele está morrendo de saudade nos cantos.

Para alguém que vem de Madrid e tem um ano de distância média, entrou pela primeira vez a avenida da 9 Julho é um caminho de volta. Esse foi o meu primeiro sintoma de melancolia. Se não fosse o obelisco, podia jurar que estava atravessando a Castellana; Achei na Flórida em Preciados e no bairro de San Telmo sentiu a atmosfera de Malasaña. Eu gosto de comparar espaços ou sentimentos e ainda lá estava eu, viver com a certeza de mundos paralelos.

Mas Buenos Aires tem que ouvir e entender o seu discurso começa em táxis. A Buenos Aires é, muitas vezes irônico com o destino do seu povo quase fatalista. Não é apenas o condutor argentino, sem julgamento e com uma carreira e salvar as colunas de opinião dos jornais. Todos os motoristas têm uma teoria de como o país foi desmembrado, universal leiloado por um político corrosivo. Neste, crítica impiedosa na sua política, todos parecem concordar. O paradoxo é que repita sempre os mesmos políticos com o apoio das mesmas pessoas desgostosos. E depois voltar a lamentar seu destino, suspiro, ouvir um tango triste e sem esperança e, são definidas para lembrar tempos melhores para que eu mesmo não ter amaldiçoado o passado argentino.

O tango é uma forma sublime de chorar e dançar de uma forma elegante para superar. O argentino está orgulhoso como suas danças, orgulhoso, digno, mas soa como acordeão quando expresso. Buenos Aires é que: livreiros para sonhar outras histórias, um mate para passar um mau trago, café que cheira a madeira, um banner na frente da Casa Rosada, um altar para Maradona… mas seria muito injusto se eu dissesse que é justo que, nostalgia.

Em Buenos Aires tem que ouvir e entender o seu discurso começa em táxis. Com uma carreira que você salvar as colunas de opinião dos jornais.

Quem está chegando a Puerto Madero, de repente descobre que a luz de novos piers, edifícios que apontam para a prosperidade do céu e restaurantes onde um carnívoro seria viver. Eu pensei que a cidade cresce mais rápido do que eles aparecem alguns de seus bairros. O Boca enfatiza a imagem do lugar atemporal com as casas de El Caminito pintadas no estilo de imigrantes genoveses que desembarcaram aqui no XIX. Hoje, os turistas param para comprar pinturas ou encorajar um dançarino de tango você perna até o queixo, mas de alguma forma continuará a fluir a partir do espírito do passado, com Avellaneda Ponte em segundo plano, como um calendário grande encalhado 1940.

Em cada distrito entendido de forma diferente de entender a vida eo tempo. São as duas velocidades de Buenos Aires. Um mal se move, e rendido o sabor antigo do Grand Café Tortoni e músicas Gardel. Outro precisa justificar seu status independente e preferem música moderna nos bares a gritar para o futuro, com uma guitarra elétrica que soa melhor.

Eu não sei quantas horas passei em torno da cidade de um lugar para outro, carregados com o equipamento da câmera, Palermo da Avenida Corrientes, Constituição para o Rio de la Plata, Boca do hotel, cansado de ver tantas cidades em uma viagem. Mas estes poucos que encontrei a recompensa de um bom assado, um chorizo ​​com chimichurri, um bife no nível da rua e em cada grade um argentino simpático e astuto, um homem de vigília, com o verbo escorregadio para a piada fácil ou comentário ácido.

Tínhamos atravessado meio mundo de carro, quando chegamos à Argentina e aqui, depois de muitos meses sem trégua, ritmo parou. Aos poucos deixamos as câmeras no hotel, para ir para um passeio com as mãos nos bolsos.

Eu encontrei os meus próprios passos, longe dos meus companheiros de viagem, e eu me senti confortável em Buenos Aires, como se de reconhecer um rosto amigável ao virar da esquina. Talvez fosse o caráter de Buenos Aires, com esse ponto temperamental como o Espanhol, mas com um tom mais suave, mais acústico. Talvez tenha sido a personalidade das mulheres, doce e selvagem ao mesmo tempo, o calor do tango locais, onde o solitário ir beber o vinho sem conforto. Ou talvez você fosse os bares gays de San Telmo noites, ou grelhado, ou conversa fácil com estranhos. Eu não sei, mas de alguma forma, antes de eu sair e eu comecei a perder Buenos Aires, e começou a, Eu também, a olhar para trás.

Pesquisa realizadas:

  • Compartilhar

Comentários (12)

  • Javier Brandoli

    |

    Raramente um vídeo e um texto de melhor refletir a essência de uma cidade. Letra e imagem da mão. Parabéns Dani, Tem sido um prazer de ler e ver uma Buenos Aires que é tão parecida com a minha.

    Resposta

  • Daniel Landa

    |

    Com Luz. Fico feliz em ver que existe vida além de vídeo!!

    Resposta

  • Pacucha

    |

    Daniel tem me impressionado parabéns Namíbia!! e toda sexta-feira eu vejo o seu documentário …
    Eu não diria que com a sua autorização .. um mundo à parte!! além somos …..eles são o MUNDO!! obrigado

    Resposta

  • Daniel Landa

    |

    Pois a verdade, Pacucha, é que talvez você esteja certo. Eles têm mais doses de verdade. O problema é que em menor número e nos isolar, mas como você vai entender, em qualquer caso, o nome destina-se nas curvas A World Apart, mais, destacá-los. 😉

    Resposta

  • Pacucha

    |

    Claro Daniel!! ….. Concordo com você .. um abraço

    Resposta

  • Inês

    |

    Olá, Eu vi e li tudo que você escreveu! Muito boa síntese para definir a portenhas almas!

    Resposta

  • Esther

    |

    Como é bom.

    Resposta

  • Julieta

    |

    Coloquei arrepios! como dizemos…
    Texto lindo.. um prazer de ler

    Resposta

  • Daniel Landa

    |

    Graças a três. Esther, Julieta e Inés… Eu me pergunto se você escrever a partir de Buenos Aires, Ines, pelo menos, parece conhecer mulheres de lá. Fico contente por gostarem do texto, meu curso, Eu amei Buenos Aires

    Resposta

  • Lydia

    |

    Vídeo bonito e texto em movimento, cativante, excelente. Parabéns. Buenos Aires é de notar que você atingiu um acorde.

    Resposta

Escrever um comentário

Últimos Tweets