Voando entre o grafite de Valparaíso e as montanhas reais

Para: Laura Berdejo (Texto e fotos)
imagem Anterior
próxima imagem

informações título

conteúdo informações

Não tirei nenhuma foto do Aconcágua. Quando a ideia me veio à cabeça, para o bolso, Eu vivi da mesma forma que vivíamos aquelas ocorrências de infância de sair do grupo para ir para casa quando começou a chover. Eles vieram como uma rajada de vento e depois volatilizaram. Porque, Por que parar de viver? Porque pensa, mesmo um segundo, para se livrar do momento de voar pela primeira vez?

"À sua direita, eles podem ver o Aconcágua ", disse o orgulhoso comandante, antes de nos dar uma manobra voluntária para que pudéssemos ver a montanha mais alta de toda a sua extensão. Foi um dia de céu azul perfeito. Aconcágua tinha campos de neve brilhantes a meia altitude e o topo era desenhado com uma clareza impecável, pois acabava de emergir de uma fenda orogênica pontual e acentuada, com bordas de gelo e rocha que se abriram em toda sua majestade. Os raios do sol apontavam para sua face sul e a massa rochosa, como uma tocha, na imensidão de um vale de picos. Emanado, com uma naturalidade chocante, tanta insígnia e tanto poder que estava muito mais perto da perfeição da Mãe Terra do que da pintura impressionista que minha câmera teria desejado fazer.

Porque pensa, mesmo um segundo, para se livrar do momento de voar pela primeira vez?

O avião balançava suavemente, talvez planejando, em total contraste com a força imperiosa dos Andes e de repente fiquei emocionado, Meus olhos se encheram de lágrimas, e eu me deixo sentir toda a minha vida, como dias depois de sair do café Wonderland.

Ao chegar em Santiago houve amigos e conversas, cada um mais diverso, cappuccinos em ônibus sem rodas, cafés em baús azuis, e petiscos em cafeterias italianas com bolos de maracujá com mel.

E de Santiago a Valparaíso. Saímos em um carro alugado que começou a rolar cedo um dia de sol frio ao som de conversas e janelas abertas, as batatas de beterraba e aquela piada alegre que encontra espaço para brincar em qualquer viagem, o que vier a seguir. É impossível, raro, incomum, quase uma exceção, do que rolar por uma rota desconhecida nos braços da exploração e do vento fresco, não surge uma vida de mestre que encha o veículo com o eflúvio das descobertas e a adrenalina do verão das mangas curtas e do sol.

E assim nós fomos, nas estradas do Chile, quando uma placa em uma curva perigosa nos convidava a provar os melhores ovos do país e, graças a uma manobra de fórmula 1, nós entramos em uma espécie de hangar. Em menos de dez minutos Jusep, Catalão com sangue e fogo, e sua senhora, Chileno de pura fé, eles nos colocaram algumas panelas com alguns ovos amarelos em torno de uma lareira de madeira redonda, e um cheiro de fumaça e casa nos fez querer sacrificar Valparaíso e ficar o dia com ovos estrelados e aquele vinho.

O graffiti de Valpo jogou raios coloridos em nós e entramos com a tinta naquele labirinto de murais, hippies tarde da noite, navios de guerra e barcos de pesca e colinas com elevador

Mas continuamos pelas rotas ordenadas do sul até que o graffiti de Valpo jogou alguns raios de cores em nós e entramos com a tinta colocada naquele labirinto de murais, hippies tarde da noite, navios de guerra e barcos de pesca e colinas com elevador.

Parece que os habitantes originais de Valparaíso foram os macacos, alguns tipos dos quais pouco se sabe, que adorava o mar, quem eles chamaram de Mama Cocha, e eles se dedicavam quase exclusivamente à pesca, atividade praticamente nua. Não contente em pescar pelado e fazer jangadas com peles de leão-marinho, usaram o sal para fazer um peixe que trocaram por outras mercadorias, como frutas e, especialmente, por alguns licores apetitosos que as lupacas faziam, Coles, masculino, atacameños e puquinas e que não sabiam fazer.

Embora aqueles tempos de troca de peixe por cachaça estivessem longe, e hoje Valparaíso é um porto por onde passam 10 milhões de toneladas de mercadorias e mais de 150.000 passageiros por ano, cidadãos continuam a beber licores saborosos e a fazer cadernos, argolas, embarcações, pulseiras e todo o lixo possível em uma bagunça bastante saudável que mistura jovens e velhos, cachorros e gaivotas, indígenas e turistas de várias condições.

Nós escalamos, nós descemos, Caminhamos de uma colina a outra em ladeiras e funiculares, perdendo-nos e encontrando-nos entre os desenhos, frases nas paredes e sob uma meada de fios elétricos que estavam emaranhados como galhos de cobre. Pegamos micheladas, compramos cadernos com gatos e voltamos para Santiago ao entardecer. Na viagem de volta tentamos entender aquela cidade que, por sua própria natureza anárquica, não foi entendido.

Na viagem de volta tentamos entender aquela cidade que, por sua própria natureza anárquica, não foi entendido.

A felicidade foi deixada em desordem, o prêmio parecia exclusivo para quem estava perdido. Então lembramos que na praça principal, onde uma rua estreita começa onde vagabundos atemporais vagam, em frente a um monumento às batalhas navais do Chile, existe o palácio da justiça. Em suas escadas, como em tantos outros edifícios equivalentes em todo o mundo, há uma estátua da Justiça que geralmente é representada, da Grécia antiga, com uma escala equilibrada segurada por seu braço firme e com os olhos vendados, símbolo de justiça cega e imparcial.

A estátua de Valparaíso, no entanto, os olhos dela estão descobertos e as escamas penduradas desequilibradas, uma das armas na cintura e uma atitude desafiadora e passota, como se ela estivesse cansada de fazer justiça e fingir que os códigos criminais são uma verdade capital.

E isso é Valparaíso no final. Essa é a senhora que, da terra dos picos que veneram Aconcágua, perdoa os humanos que assombram entre as cores, que pescam seminus ou que se perdem sob cabos e gaivotas, metáforas primitivas da jornada essencial.

 

  • Compartilhar

Escrever um comentário

Últimos Tweets

Não os tweets encontrado.