Em um trem subindo os Andes

Para: Javier Brandoli (texto e fotos)
imagem Anterior
próxima imagem

informações título

conteúdo informações

Ele subiu um patamar entre 3000 e 4000 metros. você pode acreditar? Como se o mundo poderia ser virado de cabeça para baixo sem cair nada. O trem soprou a fumaça e nós vida. Do nosso janela se observava as gramíneas de estepe dos Andes e da chuva e pessoas coriáceas pelo sol frio. Não paramos de olhar, aquele vazio em que se destacavam picos com neve de verão. O tempo passou rápido naquele trem lento. À distância, as lhamas e alpacas trotavam. Algumas crianças acenavam com as mãos inchadas de trabalhar e as mulheres e os homens nas costas deram uma trégua ao ouvir o rangido das carroças. O Peru ficou aquém daquela corda de ferro que conecta Cusco e o Lago Titicaca. Estávamos chegando sem entender se já tínhamos saído.

Nas encostas das montanhas dos Incas tudo tem um misto de triste alegria, como se a dor fosse o remédio para o mal da altitude

Saímos cedo, com a luz das primeiras coisas, o vento gelado do orvalho nas alturas e nas ruas se preparando para um novo ataque. Cusco e o elevado Vale Sagrado no Natal era como celebrar as festividades à mesa de Deus. Costantino, um amigo generoso, alegre e inteligente, Ele nos mostrou sua terra de acolhimento e voltou para Lima. Francesca e eu deciframos um mapa de água e lama para nos perdermos com a nostalgia típica da região. Nas encostas das montanhas dos Incas tudo tem um misto de triste alegria, como se a dor fosse o remédio para o mal da altitude. Éramos turistas empoleirados em um comboio de antes, seculos atrás, daqueles que para existir têm que ser muito novos.

Saímos de Cusco com pontualidade andina. O trem se afastou da beleza colonial dos cartões-postais da cidade. Era outro cusco, de casas de adobe ou tijolos quebradas, onde o musgo cresceu nos ralos. Sempre foi assim, também nos tempos incas: as pessoas comuns vivem sob as sobras. O homem tem essa capacidade universal de destruir a paisagem com sua desigualdade bastarda. Alguns dias atrás eu também estava pegando o trem do aeroporto de Nova York para Manhattan e a cena era a mesma. Com luz e com agua ali, Com montanhas de cimento e templos de néon, mas as próprias colmeias de pessoas que sobrevivem longe da opulência da Big Apple.

Só quando deixamos o homem descobrimos os picos de pedra, o gado espalhado entre a grama alta…

Só quando deixamos o homem descobrimos os picos de pedra, o gado espalhado entre a grama alta, as aldeias sem cercas, os olhares furtivos, os rios sem rumo, o cheiro do vento, o arrepio de frio, o silêncio violento, uma estrada distante com quase nenhum carro, um trem que inventou curvas, a beleza de nada. E tudo estava lá, cheio de vida escondida, fugindo de nós e deles, com a ideia teimosa de ficar assim até que os dias se esgotem. O tempo passou tão rápido entre aqueles quilômetros de vales estéreis que você não sabia onde olhar para não perder nada.

E assim foi por horas e milhas, Eu realmente não sei como medir essa viagem porque a primeira aconteceu rápido e a segunda aconteceu lentamente, até que o homem e seus vícios voltassem. Em Juliaca, uma cidade perto do lago, o trem passou por bazares mortos, caras cinzentas, alguns bêbados que falavam com o trem com insolência e barracas onde restos inúteis de outros mundos eram vendidos. Milhares de pessoas deixaram o comboio com relutância para não atrapalhar suas vidas com nossas vidas distantes.. Alguns vendedores deixaram suas frutas ou livros, exposto em um pano, nos mesmos trilhos que o trem passou. Eles não se preocuparam em removê-los, Foi o suficiente para eles fingirem que não nos viram até que duvidamos se éramos verdadeiros. Era uma porra de pobreza em que a única coisa que restava éramos nós.

o trem passou por bazares mortos, caras cinzentas, alguns bêbados que falavam com o trem com insolência e barracas onde restos inúteis de outros mundos eram vendidos

Tudo foi deixado para trás, à distância de duas realidades díspares que necessariamente se encontram duas vezes por dia. E no último trecho a calma voltou, a estepe e a água do Titicaca ao fundo. O apito do trem apitou e sabíamos que havíamos chegado ao nosso destino depois de quase doze horas. Estava um pouco frio. As montanhas de Puno eram feitas de tijolos e circundavam uma baía de espelhos. Nós olhamos para o trem, parou nas trilhas, e nós sorrimos. Você conhece aqueles sorrisos profundos de felicidade?

  • Compartilhar

Comentários (1)

  • Marco Antonio

    |

    Obrigado pelo ótimo artigo.. De hecho es uno de los mejores trenes que atraviesan la cordillera de los andes, viajar en tren es fascinante, tienes que vivir y senter esta experiencia, como lo hizo Javier. https://incredibletravelperu.com/

    Resposta

Escrever um comentário

Últimos Tweets

Não os tweets encontrado.