Cacaxtla: murais em guerra

Para: Ricardo Coarasa (Fotos: Reo)
imagem Anterior
próxima imagem

informações título

conteúdo informações

Hemos salido del DF para a faixa de rodagem Zaragoza, em a parte oriental de la ciudad, que discurre paralela a la antigua de Itzapalapa -por onde entra Hernán Cortés em 1520 um Tenochtitlan primeiro- para enfilar El Valle de Puebla. Queremos acercarnos a Cacaxtla, baluarte de a civilização olmeca.

Trânsito por um sem-fim de minúsculos poblados sem horizonte que Comienzo a mostrar ele rosto apacible e resignado de os sobreviventes. Eles são gentis que no passam Fome graças a la frugalidade de su dieta, que Gira em torno ao milho e os feijões, e para a fertilidade de a terra, mas que empobrecem as suas perspectivas na humildade de suas moradias que pontilham a estrada como uma string é executado. Suas chances de sucesso são nulas, porque a economia de subsistência que são condenados negou qualquer possibilidade de salvar. Eles sabem disso e estão resignados para sobreviver.

Trânsito por um sem-fim de minúsculos poblados sem horizonte que Comienzo a mostrar ele rosto apacible e resignado de os sobreviventes

Uma viagem através das estradas vicinais de México É altamente recomendado para aqueles que querem conhecer a parte de trás deste magnífico país ainda tem muitos sem solução no mais 2.000 povos diferentes, divididos por sua geografia, se você quiser avançar no caminho de progresso e igualdade social.

En San Miguel Xochitecatitla, estado Tlaxcala, um grupo de crianças sobre os ombros desfiles marciais entoando slogans patrióticos. Em todas as escolas do país desfiles para comemorar o dia da independência, quando alto canta o hino do México e cantar os nomes de todos os libertadores. Estes pequeninos são muito para o papel, precedidos por uma escolta que porta com orgulho a bandeira tricolor. É um privilégio que você ganha a cada dia durante o curso, portanto, fazem parte do estudante escolta abre o desfile da independência é uma das honras que qualquer aluno aspira cada 15 Setembro.

Cacaxtla é o legado de 200 metros quadrados de murais sobre o desaparecimento da cidade depois de uma batalha sangrenta com a Teotihuacan

As ruínas arqueológicas de Cacaxtla, descoberto no final do século XX, são cortadas em uma colina da qual emerge o Vale do México, por um lado, ea cidade de Tlaxcala, por outro. Seus antigos habitantes Olmeca criou a cidade nesta colina no meio do século VIII. Cacaxtla é, especialmente, legado histórico 200 metros quadrados de murais deixaram evidências do desaparecimento da cidade depois de uma batalha sangrenta com a Teotihuacan, seus piores inimigos.

A antiga Acrópole, habitando a casta privilegiada dos sacerdotes e chefes, é totalmente coberto por uma carcaça moderna, tão necessário quanto abominável. Aqui viveu há cerca de um milhar de pessoas em constante hostilidade com vizinhos Tlaxcala, la ciudad cuya colaboración abrió las puertas de la conquista de México a Hernán Cortés. Un septuagenario, sentado ao ar livre em uma cadeira e uma mesa como um único mobiliário simples, atua como um guarda e nos faz pagar 30 pesos para permitir a gravação de imagens da exposição, prática comum em todo o México, com os descendentes dos astecas resarcen de depredações últimos.

A paz que permeia o viajante que aprecia só quer ouvir o som do vento e as confidências de espíritos olmecas

Cacaxtla está longe das rotas turísticas habituais e tranquilidade que permeia o viajante que aprecia só quer ouvir o som do vento e as confidências de espíritos olmecas. Nós somos os primeiros a chegar e ninguém nos incomoda durante uma visita à Acrópole, que os obriga a parar na frente de cada pintura tentando ler suas linhas o horror da guerra eo abandono da cidade. O mural da batalha, com 22 metros de comprimento, o maior da Mesoamérica, submerge-lo em um ambiente de medo e violência.

Claramente ouvir as vozes de uma Tiangui que ainda não conseguem ver e deve estar localizado a poucos quilômetros

É legal e nossos passos ecoam na cúpula e se espalhou pelo vale verde, que oferece acústica superiores. Claramente ouvir as vozes de um tiangui (mercado local) que não podemos sequer ver à distância e deve ser localizado a poucos quilômetros de distância, enquanto César, nosso guia, nega que haja evidência de que sacrifícios humanos seriam Cacaxtla. Sempre obsessão mitigar os horrores de civilizações antigas, como os olmecas ou Aztec, episódios não eram sem abominável, incluindo sacrifícios rituais ocupava um lugar de destaque.

Os astecas acreditavam que tinha que alimentar os seus deuses com sangue humano, de modo que o seu mundo não se extingue. Esta crença lhes exigia uma atividade frenética guerreiro iria garantir-lhes vítimas sacrificiais. A presença dos hostis a poucos quilómetros de Tlaxcala alegou Tenochtitlan algumas batalhas eram necessárias para fornecer tropas para a pedra de sacrifício. Milhares de tlaxcaltecas acabaram por sus vidas, algo que ajuda a explicar a brutalidade impiedosa usado seus compatriotas com os astecas em Tenochtitlán fazer, mesmo ignorando as ordens de Cortez.

Os astecas acreditavam que tinha que alimentar os seus deuses com sangue humano, de modo que o seu mundo não se extingue

Os sacrifícios humanos eram difundidos no México naquela época. A vítima tinha sido colocado sobre a pedra sacrificial, geralmente localizada no topo de uma pirâmide, e quatro padres segurei enquanto outro chamou, com uma faca de obsidiana, o coração batendo, que foi oferecido aos deuses. O corpo sacrificado é então puxado para baixo as escadas do templo. Imediatamente depois, cabeça foi cortada infeliz, que são amarrados em uma paliçada povoadas de caveiras, o tzompantli, depoimento perante as divindades da fidelidade de seu povo. O ritual termina com a degustação de corpo sacrificado, como se relaciona Frei Toribio de Benavente, deve ter sabido que essas práticas pela boca dos conquistadores ou os próprios índios, porque quando ele veio para Nova Espanha, em 1524, os sacrifícios tinham cessado:

'Corações, Às vezes eles comeram os ministros antigos; outros foram enterrados, e, em seguida, levou o corpo e descer as arquibancadas echábanle rolando; e insider abaixo, se fosse em prisioneiros de guerra, Eu peguei o, com amigos e parentes llevábanlo, aparejaban que carne humana e outros alimentos, e um dia fez festa e comi »

Algumas crônicas dizer que, por ocasião da inauguração do templo de Tenochtitlan, no ano 1487, quando reinou Auitzol, predecessor de Montezuma, foram sacrificados aos deuses mais 80.000 vítimas em três ou quatro dias, descobrir, como quase, Tudo, Sujeta em disputa.

"No tempo dos olmecas podia ouvir o eco ao DF", diz o nosso guia de como deixamos Cacaxtla

César me livra de meus pensamentos e facas de obsidiana sacrifícios. "No tempo dos olmecas podia ouvir o eco ao DF", diz que sairmos Cacaxtla. Dado que o capital federal é superior 100 km de aquí, todos os céticos que preço é obrigado a desconfiar de uma afirmação como essa. Me too. Passamos por um pequeno grupo de espectadores. Talvez eles são os únicos que visitam as ruínas hoje. Há poucos turistas que vêm aqui. Teotihuacán, Chichen Itza e El Tajin têm muito mais puxar. Talvez seja melhor assim.

PDTA.- Estas linhas estão incluídas no meu livro “Hernán Cortés. As etapas que estão habilitados” (Espelho de tinta, 2007), reeditado pela Editora América Ibérica em 2011.

Pesquisa realizadas:

  • Compartilhar

Escrever um comentário

Últimos Tweets