Um Dia na Estrada da Morte

Bolívia está cheia de falésias, transportadores e estradas não pavimentadas. Mistura pobre. O guarda de trânsito das viagens mais impressionantes na América e seu nome não ajuda a relaxar o gesto ao volante. A Rodovia da Morte é um caminho de lama e pedra que o vento através dos contrafortes dos Yungas para alcançar cada vez mais chamado- Cidade da Paz.

Agora, Bolivianos conduzir aliviada por uma estrada pavimentada que o governo decidiu construir para evitar o pânico dos caminhoneiros e da agonia de suas mulheres, que viúvos com a menor negligência de seus maridos. Ainda hoje você pode visitar o seu 80 Quilômetros mais perto como se ela mesma desenhou o Grim Reaper. Apenas 3 metros de largura em alguns pontos, 300 centímetros a ser veiculadas pelos caminhões nos dois sentidos.

Nossa volta ao mundo apenas para perscrutar o caminho vertical que vimos em nossas vidas. Alguns barrancos chegar 800 queda de metro e quando chove a lama desliza veículos em uma dança mortal. Vimo-lo em outras estradas no país, sentir a rigidez dos músculos, o suspiro eterno, não querer olhar. A Rodovia da Morte em um dia recebemos nublado, mas seco, sem a ameaça de caminhões. Ainda assim, o dia fez-nos muito tempo.

Alguns barrancos chegar 800 queda de metro e quando chove a lama desliza veículos em uma dança mortal.

Nós dirigimos em turnos, não há tempo para consumir os sentidos, sempre de salto alto para a rocha, pois é melhor arriscar a folha de 4x4 da vida. Mas então vimos um outro carro à distância, um SUV que se aproxima na direção oposta. Há uma regra não escrita que obriga os veículos no valor de furar a fronteira vazia para evitar que os freios de uso descendo ao longo do golfo. Nessa altura, o declive era ligeiramente, mas para cima. Os três membros do sopro em todo o mundo. José Luis levou, nosso produtor. Ele se afastou, o lado da montanha, sem. Eu puxei minha câmera para fora da janela atrás do piloto, Eu tentei queimar o chão, mas não do solo. Tudo aconteceu muito lentamente, mas eu achei muito muito muito muito lentamente. A porta do carro outro tem quase, Pegamos o susto para a vida, mas nós somos assim.

O dia prosseguiu com cautela. Paramos o carro para gravar, encuadrábamos do precipício, as cruzes de mortos, cachoeiras que invadiram uma maneira impossível. Após a marcha retomábamos. Naquele dia, não falava muito.

Eu me comprometi a gravar um plano eloqüente. Paramos no final de uma curva muito aberto em "U". A idéia era que José Luis foi embora com o carro, para Alfonso e eu poderia salvá-lo do outro lado. Só então foi possível avaliar o tamanho do precipício, a insignificância de um carro nas Yungas.

Quis o destino, a câmera começou a falhar logo então. Passamos quase oito horas de gravação e agora temem que não poderia terminar a seqüência. Estávamos perdendo o avião e até mesmo equipamentos de vídeo entregue ao choque dos Andes.

Não há nada pior, depois de vencer o medo, que ter que lidar com eles para descobrir que existem.

20 dia

Essa falha técnica nos custar uma temporada na capital, incapaz de se mover através do mundo, porque nós não poderíamos dizer. Série A World Apart destina-se a dizer toda a viagem, retratar o planeta e se quiséssemos ser leal para que a empresa não poderia ir sem, com uma câmara de cego. Então tivemos que parar a marcha, confortável em uma cidade que atinge 3.800 metros acima do nível do mar e pela paciência e chás de coca, suportar 20 dias em La Paz. A câmera voou para a Espanha e enviou outra emergência. A viagem recuperou sua rotina, e foi para os mercados da Paz, para gravar as idas e vindas de pessoas, Cor indiana, o jogador, mercados. O passo seguinte foi para visitar as águas calmas do lago Titicaca, mas nós tivemos que terminar algo. Nos faltava um plano.

Desta vez fomos de carro pela estrada de asfalto por mais de 60 quilômetros e, em seguida, fazer um desvio. Os três de nós sabia que estávamos indo de volta para que o "U" gigante. Não há nada pior, depois de vencer o medo, que ter que lidar com eles para descobrir que existem. Coloque o tripé, José Luis respirou fundo, o carro voltou a perder nas montanhas. Meia hora depois ele voltou e tivemos o nosso mapa, isso permitiu-nos contar a história abruptamente portadores bolivianos.

-¡Venha, vamos de uma vez!- José Luis murmurou, mientras miramos por última vez aquel camino mortal tallado con rabia entre los Yungas.

Pesquisa realizadas:

  • Compartilhar

Comentários (3)

  • Enrique Vaquerizo

    |

    Espetacular, Uma vez eu tenho uma bicicleta e eu quebrei um braço no meio, poderia ter sido pior. Agora Coroico e os Yungas, em geral, são uma delícia!

    Resposta

  • martin

    |

    Muchísimas ganas de perderme en Bolivia ; cruzando el Pantanal hacia Brasil….

    Resposta

  • Javier Brandoli

    |

    La cabra siempre tira al monte Martín

    Resposta

Escrever um comentário

Últimos Tweets